Páginas

sábado, 30 de julho de 2005

Élio Maia

Estive ontem presente no lançamento da candidatura de Élio Maia à Câmara Municipal de Aveiro. Gostei de ver em palco os líderes concelhios do PSD e do CDS-PP e gostei muito, mesmo muito, do discurso de Girão Pereira, um verdadeiro senhor, daqueles iguais ao Vinho do Porto: está cada vez melhor.

Claramente o candidato Élio Maia fez aquilo que deveria fazer: mostrou a coragem e a gratidão da sua candidatura e mostrou a razão principal: ser diferente!

Mostrou que o seu trabalho vai ser um esforço de equipa e uma visão de todos, ao contrário da visão de Alberto Souto e do trabalho de alguns.

Mostrou que o que importa são as pessoas. Mostrou que gastar aquilo que não temos não funciona para sempre...

Gostava que todos mpostrassem esta garra, esta dinãmica de vitória. Gostava que Aveiro não adormecesse nas férias. Ou que os cidadãos de Aveiro não adormecessem durante todo o ano.

Gostei.

22 comentários:

  1. Apreciando homens?!
    Ó JMO, se não o conhecessem iriam pensar coisas... calúnias, decerto!

    ResponderEliminar
  2. Como me conhecem, sabem bem que eu aprecio mulheres. E admiro candidatos. Que dão a cara pelo seu trabalho...

    Por isso pode descansar o seu traseiro, caro anónimo...

    ResponderEliminar
  3. Estamos a falar de Girão Pereira?! O mesmo que tudo fez para que Aveiro não tivesse uma universidade?! Mas a necrofilia não é crime?!

    ResponderEliminar
  4. PS: tive o sincero prazer de conhecer o Hélio nas andanças do ensino da filosofia. A minha simpatia por ele, apesar de enorme, não acompanha o meu escrúpulo político. Mas anda cá em cada companhia este homem...

    ResponderEliminar
  5. Girão Pereira foi um excelente presidente da CMA que desenvolveu a cidade. E fê-lo de forma consciente. O que está a dizer não tem qualquer sentido, meu caro.

    ResponderEliminar
  6. Talvez fosse boa ideia estudar a história da universidade de aveiro e verificar com os seus próprios olhos, já que a memória não o ajuda, a guerra mesquinha que Girão lhe fez. Recordo-me, que numa das suas últimas entrevistas enquanto presidente da CMAveiro, Girão se queixava do facto de existir uma parte do território do concelho - o campus - que escapava ao controlo da autarquia. Vá lavar história para outro lado!

    ResponderEliminar
  7. O Girão desenvolveu a Cidade de Aveiro de forma consciente?

    Meu Deus. E o grau zero da cegueira. A partir desta frase que deu uma noitada de risadas entre amigos a contar as dezenas de histórias de burrices e uma terrivel falta de senso de futuro posso simplesmente assegurar que:

    JMO é o cego do destas autarquicas. O Rei vai nu, mas o senhor não consegue o ver.

    ResponderEliminar
  8. David,

    A Universidade desenvolveu-se de forma muito interessante mas o que girão Pereira dizia nessa altura tinha razão de ser. Também a universidade, como outras instituições podem ser orgaos de bloqueio. Mas isso servia para um outro post.

    quanto aos anónimos... os cães ladram a e caravana passa. Eu dou a cara pelas minha opiniões, vocês, seres irracionais, falam de ataques pessoais e prosápias de merda.
    Quanto aisto, estamos conversados.

    ResponderEliminar
  9. O Girão teve muitos defeitos. Ex. edifícios Vera Cruz e Veneza.
    Mas deu a Aveiro algo que muitas cidades da Europa queriam hoje ter.
    Um centro urbano descomprometido, que o Souto está a vender ao desbarato, numa utilização do solo que qualquer dia só nos vai deixar ver a Jerónimo Pereira de Campos (vem haja quem a recuperou) de periscópio.
    Interessante era saber porque só agora se asfaltou o parque de estacionamento atrás do Oita, e quem vai construir aí, e quem vai construir aí o que financia mais.
    Cego é quem não quer ver realidae tão evidente.
    A não ser que seja mais um que se está a encher à conta do Souto

    ResponderEliminar
  10. Lamento, mas não o compreendo: Aveiro é, hoje, uma cidade com dimensão nacional e com alguma projecção da Europa e Resto do Mundo por causa da Universidade (que é a mais activa das universidades portuguesas, a acreditar no que se tem publicado no Público). Girão ía comprometendo a viabilidade da Universidade na cidade, que esteve à beira de ir para Viseu, a qual teve de se instalar e desenvolver contra a animosidade da autarquia. Qual era o problema de Girão: medo de que a vinda de população jovem e formada viesse a por em causa o caracter conservador e arrebanhado de Aveiro? Se era esse o problema, então tinha razão, porque a universidade veio ajudar a quebrar o conservadorismo quase-salazarista da pequena Aveiro. Ou o problema era apenas o despeito por ter de conviver com uma nova forma de poder que não lhe fazia a devida vénia? Ou o problema era mais simples: a enorme extensão de terrenos sobre os quais deixou de ser possível exercer especulação imobiliária perdendo a Câmara (e não só) muito dinheiro com isso?
    Aveiro só começou a se desenvolver depois da saída de Girão. Se me quer fazer mudar de opinião, faça o favor de me dar exemplos da boa gestão de Girão Pereira. Acredito que se vai ver em palpos de aranha. Mas sabe o que mais? O Hélio não é da mesma laia que Girão. É incomparavelmente mais arejado e inteligente. Vamos deixar os nossos mortos políticos descansar em paz.

    ResponderEliminar
  11. Já agora: uma Universidade pode ser uma força de bloqueio? Tem toda a razão: bloqueia a estupidez, a ignorância e o subdesenvolvimento.

    ResponderEliminar
  12. David, lastimo a sua maneira de pensar. Acredite. Porque não compreender o trabalho de girão Pereira é não ter a visao do que era possível na altura.
    Não me vou ver em palpos de aranha coissisima nenhuma. Aliás, vou-lhe dar vastos exemplos e até me deu inspiração para criar um post de forma a que as pessoas comentem. Ora aqui vai:
    Criação dos eixos verdes de aveiro - a filosofia dos cinco dedos de corredor verde da cidade; descomprometimento de vastas áreas de solos: quem condena Girão Pereira sobre ligãções imobiliárias não sei o que diz de Alberto Souto... - a filosofia da bolsa de terrenos só foi possivel graças a GP. Foi o primeiro - enão Alberto Souto que gosta muito de alardear esse titulo - a compreender as barreiras do caminho de ferro e da 109: quem fez os tuneis da Forca e de Esgueira?
    Habitação social e saneamento? Pois, as obras não visiveis parecem esquecer-se aos olhos das pessoas.
    E a habitação social? Pode criticar aquilo que se fez mas na altura foi o modelo de futuro e só se fez graças a ele.
    Girão Pereira saiu há doze anos da Câmara e deixou obra feita, deixou projectos. Desvirtuar a história é mau...
    Não critico alberto souto só ppor criticar. Tasmbém ele já ficou na história. Agora querer ligar ideologias ao já velho conceito de esuqerda-direita é que não o entendo.

    A UA, que eu adoro, tem os seus defeitos e o menor será a questão dos terrenos ou o que fazem deles. Acha que as mentalidades de Aveiro mudaram? então nao vive na mesma cidade que eu... Acredite. a UA vivou muitos anos fechada em cima mesma, numa lógica pouco produtiva para a cidade que a viu nascer. Nesse aspecto, a alternância melhorou-a e muito. Júlio Pedrosa foi muito melhor reitor do que Renato Araujo...

    ResponderEliminar
  13. "quem condena Girão Pereira sobre ligãções imobiliárias não sei o que diz de Alberto Souto... "
    Ó JMO, agora decidiu trilhar o caminho da calúnia insidiosa?!
    Se tem algo para dizer, diga! Agora, ficar-se pela insinuação - como v. diz aos outros - é cobardia!!!!

    ResponderEliminar
  14. Não percebeu a minha ironia: nenhum foi alguma vez acusado, nada de provas, nada de escandalos.

    E tendo em conta que os mesmos contrutores civis andam na cidade, e que não foi Girao Pereira a negociar patrocinios politicos ao Aveiro Basket, logo, são ambos impolutos.

    ResponderEliminar
  15. Sr. JMO, é melhor- caso consiga - pensar antes de escrever. As insinuações que faz sobre o Alberto Souto são matéria bastante para lhe causar dissabores.
    Acautele-se, porque o Sr. pode ser confrontado com os tribunais e ser condenado se não provar o que insinua. Eu sei que os partidos da coligação de direita, nestes casos, pagam os honorários de bons advogados mas, mesmo assim, é uma maçada para si...

    ResponderEliminar
  16. Caro anónimo:

    Continuo a repetir: eu sei bem aquilo que escrevo. E também sei que não escrevi nada sobre o Dr. Alberto Souto. Só alguém mal-intencionado como a senhor(a)podia pensar isso.
    E não se preocupe. Eu pago o meu próprio advogado e não fujo à justiça.
    E até tinha curiosidade de ver quem se esconde por detrás do anonimato.

    ResponderEliminar
  17. Para anónimo só anónimo a responder.
    Acusar de tribunal o outro anónimo.
    Olhe para as transacções imobiliárias nas Agras e na Coutada (Ílhavo) e se calhar quem vai a Tribunal é o que está a defender.
    Aliás, já deve ter lá lugar cativo

    ResponderEliminar
  18. na Coutada?

    Então mas em Ílhavo já não manda o Ribau?
    Bem, se calhar não e, por se ter apercebido disso mesmo, é que se zangou com os cartazes de D. Adalberto na Praia da Barra

    ResponderEliminar
  19. Ó João, sem poder alongar-me, digo-te que Girão Pereira NÃO «foi um excelente presidente da CMA que desenvolveu a cidade.» Nem o fez de «forma consciente»: na cidade, faltou um plano de desenvolvimento urbanístico, com a cidade a explodir em múltiplas direcções, sem ordenamento mínimo (já alguém aqui recordou os edifícios Veneza e Vera Cruz). E os exemplos que citas de boa gestão de Girão, causam-me perplexidade:
    - corredores verdes na cidade? A Baixa de Santo António justifica "este título"?
    - o paradigma da habitação social de Girão é o bairro de Santiago, certo? Com tudo o que teve de consequências negativas... (urbanística, arquitectónica e social)
    - o saneamento "invisível" também merecia um estudo mais aprofundado...
    - «Girão saiu há 12 anos e deixou obra feita»: é um facto, mas há outros factos que não esqueço e que funcionam como imagem de marca da gestão da cidade de então: os muros dos canais centrais e de São Roque desmazeladamente deixados destruídos. Nessa altura, a vereação CDS não se preocupava com as pessoas, preocupava-se em ficar no poder. Girão foi o ícone de uma cidade que explodiu sem rei nem roque e a que houve que dar ordem nos últimos anos.

    ResponderEliminar
  20. Viva, Miguel:

    Tenho pena de não poder concordar contigo. Mas a lógica dos corredores verdes e de outros projectos que falaste, esses posso:

    Baixa de Santo António prolonga-se para o parque da cidade, e para Santiago, chegando à 109... Não te esqueças.

    O paradigma de Girão ser santiago?
    Esqueceste-te que os projectos de arquitectura de Santiago não foram feitos em Aveiro. Eram modelos nacionais e se agora os podemos criticar e dizer que não é assim que deveriam ter sido feitos, na atura eram os modelos vigentes, elogiados em todo o lado. Girão Pereira teve a força em trazer o investimento nacional para Aveiro e completa-lo. Aveiro, como sabes, é uma terra de miséria escondida, e se não fossem feitos Santiago, Griné, Caião se calhar ainda estavam alguns problemas por resolver.

    Quanto ao resto: explodir sem rei nem roque é mentira... mas olha que não sei o que dizes à construção aprovada no centro da cidade actualmente...

    E a gestão do uso dos solos?
    Um abraço

    ResponderEliminar
  21. Ò João pensava que havia feito mais um comentário um dia destes mas parece que não. Devo ter carregado no sítio errado. Só agora é que reparei que ficou sem resposta. Então vamos lá de uma forma sintéctica: 1) não explicou qual era afinal a boa razão para que Girão nunca tivesse gostado da Universidade de Aveiro; 2) uma das razões do auto-enclausuramento da Univ. está na maneira fria como foi recebida pela cidade; 3)Também me parece muito pouco a criação dos eixos-verdes; 4)não existiu verdadeiro planeamento urbano na era Girão: os terrenos livres são a melhor herança que um autarca pode deixar à cidade, mas melhor ainda seria um projecto de cidade com um destino pensado e discutido para os vazios de aveiro; 5)É a Girão, e a mais ninguém, que devemos imputar a responsabilidade política pela abate de vários exemplares arquitectónicos Arte Nova; 6) Tem razão: aveiro é demasiado conservadora, de tal modo que parece uma cidadezinha do interior e não um pólo industrial do litoral: é ainda um resquício do domínio Girão/CDS; 7) também não me revejo em A. Souto: não passa de um conservador da velha guarda disfarçado de homem de esquerda.
    Aquilo que gaba no seu homem é muito pouco para quem esteve uma eternidade à frente da cidade.

    ResponderEliminar
  22. Caro JMO,

    Em tempo de férias para realçar o seguinte ...

    De facto Girao Pereira foi um bom presidente da CMA, aliás, recebeu a medalha da cidade por isso mesmo.

    ... o único agraciamento que nao lhe foi prestado foi ter dado o nome da Forca-Vouga o nome de Urbanização Girão Pereira como reconhecimento da sua sublime capacidade de planeamento!

    ResponderEliminar

O Notas de Aveiro não é responsável pelos comentários aqui escritos e assumidos pelos seus autores e a sua publicação não significa que concordemos com as opiniões emitidas. No entanto, como entendemos que somos de alguma forma responsáveis pelo que é escrito de forma anónima não temos pejo em apagar comentários...

Por isso se está a pensar injuriar ou difamar pessoas ou grupos e se refugia no anonimato... não se dê ao trabalho.

Não sabemos se vamos impedir a publicação de anónimos. É provável que o façamos. Por isso se desejar continuar a ver os seus comentários publicados, use um pseudónimo através do Blogger/Google e de-se a conhecer para notasaveiro@gmail.com.

João Oliveira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...